E viva o Melhor do Brasil

As “Fiestas Patrias, também conhecida informalmente como El Dieciocho, é uma festa chilena realizada anualmente nos dias 18 e  19 de setembro. É um mês cheio de expectativas, de decoraçoes em azul, vermelho e branco – cores da bandeira chilena – como se fosse natal no Brasil.

Apesar da cidade literalmente parar durante o final de semana que antecede o feriado e obviamente nos dias 18 e 19/set, e se você fizer uma conta rápida de dias vai perceber que a conta é bem similar aos dias de Carnaval, as comemoraçoes em nada se parecem a isto. Mas também, o motivo de um feriado tao grande por aqui é outro: Esta festa comemora  a independência chilena, com muitas danças e ritos folclóricos, comida típica, encontros familiares e bandeiras do Chile em todos os lugares. Todos mesmo!

Apesar de achar maravilhoso um feriado grande assim, nao estou aqui para “defender” as festas pátrias, até porque, se você nao é chileno – o que é o meu caso – o feriado acaba sendo bem chatinho porque você nao está inserido na cultura, mas toda essa movimentaçao em prol da data, me fez pensar no quanto o brasileiro tem motivos para ser um pouco mais patriota e nao é.

Nao falo isso por nao comemorarmos da mesma maneira a nossa Independência que também é no mês de setembro e que ao meu ver, deveria ser mais valorizada; mas porque eu sinceramente acho que apesar de toda a revolta que a Política nos causa, ainda assim temos um grande país.

Quero compartilhar um texto de uma escritora holandesa que recebi por e-mail. A escritora nao se identifica, o que é uma pena porque o texto é muito bom, mas fica o pedido de reflexao sobre o lado bom do nosso Brasil e do quanto esse lado precisa ser ressaltado.

“Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil, realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. Aqui na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não há nada automatizado. Só existe uma companhia telefônica e pasmem: Se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado.

Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo – ou de lavar as mãos antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne.

Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal – e tem fila na porta.

Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador.

Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de ‘Como conquistar o Cliente’.

Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos.

Vocês têm uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa. Os brasileiros são vitimas de vários crimes contra a pátria, crenças, cultura, língua, etc. Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar suas raízes culturais.

Os dados são da Antropos Consulting:
1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.
2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma.
3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária.
4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em todas as regiões do Brasil, com resultados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando em xeque a credibilidade do processo.
5. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina.
6. No Brasil, há 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma.
7. Das crianças e adolescentes entre 7 a 14 anos, 97,3% estão estudando.
8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês.
9. Telefonia fixa, o país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas..
10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISO-9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina.
11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.

Por que vocês têm esse vício de só falar mal do Brasil?

1. Por que não se orgulham em dizer que o mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a cada ano?
2. Que têm o mais moderno sistema bancário do planeta?
3. Que suas AGÊNCIAS DE PUBLICIDADE ganham os melhores e maiores prêmios mundiais?
4. Por que não falam que são o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte de seu tempo em trabalhos voluntários?
5. Por que não dizem que são hoje a terceira maior democracia do mundo?
6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?
7. Por que não se lembram que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem? Por que não se orgulham de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando.

É! O Brasil é um país abençoado de fato. Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de todos os credos. Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques. Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar toda gente. Bendita seja, querida pátria chamada BRASIL!”

 

 

Doble 11 de Septiembre

 

Ataque as Torres Gemeas, EUA

A destruição das Torres Gemeas nos Estados Unidos nos atentados da Al-Qaeda há 10 anos, marcaram o início de um novo ciclo com o qual o mundo ficou mais inseguro e o terrorismo ganhou um alento e protagonismo que já não se conhecia desde os anos setenta no Oriente Médio e a cada aniversario desta tragedia é que como se o mundo revivesse a sensacao de que, ao se fazer uma análise geral da vida, só encontramos incertezas.

Assim como todos os países, o Chile também se comoveu e nao tem dúvidas de que este evento figura entre os mais chocantes do mundo, mas curiosamente, ele só reforca aos chilenos que 11 de setembro nao é uma boa data.

Isso porque há 38 anos atrás e no mesmo dia, um golpe de Estado realizado pelas classes dominantes chilenas derrubou o governo da Unidade Popular, presidido por Salvador Allende.

Bombardeio ao Palácio La Moneda - Chile

A ponta de lança do golpe foram as Forças Armadas sob a direção do general Pinochet, que teve o apoio do imperialismo do governo dos EUA e foi articulado e financiado pela CIA e pelas transnacionais norte-americanas. Também contou com o apoio dos governos ditatoriais latino-americanos, inclusive do Brasil, associados com o imperialismo norte-americano na “Operação Condor”.

A pesar das mudanças significaticas que isso trouxe a economía do país, nao se pode negar que a policía militar do Estado chileno realizou um dos maiores banhos de sangue contra um povo nas últimas décadas na América Latina.

Dejar la vida en la canción

Usuária de drogas, colecionadora de vexames, responsável pela venda dos principais tablóides do mundo quando traziam uma foto sua na capa em estado deplorável. Era assim que Amy Winehouse, que morreu sábado, dia 23 de julho, aos 27 anos em Londres, era e continua sendo taxada por muitos, inclusive por quem se diz “seu público”.

Também nao aprovo suas atitudes, mas independente das escolhas que ela fez para a sua vida, e que nao cabe a mim julgá-las, por trás de tudo isso estava um ser humano, que mais do que fragilidades – coisa que todos temos – soube dar à música uma contribuiçao e uma rica transformaçao, como poucos. Mas infelizmente, a morte de Amy e todas as piadas que leio a respeito, só me provam que em muitos casos, as pessoas só enxergam nossos defeitos e problemas e raramente percebem o bem que fazemos independente da dor que carregamos.

Sempre admirei sua voz. Era única! Sem contar a mistura, para mim perfeita, de soul e jazz, meus estilos favoritos. Amy esteve presente em momentos muito bons da minha vida, inclusive, no meu relacionamento atual, mas também naqueles em que eu precisava acreditar na superaçao, e talvez para estes, suas músicas fizeram ainda mais sentido. E essa é uma das coisas, que como cantora, creio ser uma das melhores gratificaçoes que a música nos devolve: impactar vidas, em qualquer parte do mundo, com uma melodia que nasceu no coraçao de quem a cantou e precisou antes de todo mundo, acreditar nela.

No metrô de Santiago, enquanto ía para minha aula de espanhol, lia o jornal que também falava de sua lamentável morte e gostei muito do que Maurício Jürgensen, jornalista e crítico especializado em música popular, escreveu. Divido com vocês:

Amy Winehouse

“Quizás no tuvo el temperamento ni la calma. Pero nadie, ni siquiera los más morbosos con su derrumbe físico y emocional, podrían discutir algo que, de seguro, será una verdad absoluta de aquí en adelante: que Amy Winehouse fue lejos la más talentosa de su generación.

La trágica heroína del soul inglés debutó a los 19 años de edad con Frank (2003), un disco del que pocos se enteraron en su época, pero que ya alertaba sobre la aparición de un talento inusual para la historia reciente del pop británico. Por su estilo sofisticado y negroide, y esa mezcla de soul de la Motown y jazz de salón, se ganó comparaciones con Nina Simone y Erykah Badu y bastaba un breve repaso por canciones como In my bed o Help yourself para aquilatar la distancia que tempranamente tomaba de nombres como Joss Stone o Corine Bailey Rae, hasta entonces, las dos niñas mimadas del “neo soul” inglés.

Pero aunque impecable de factura y de buen rendimiento comercial, a Frank le faltaba voz propia y un par de canciones memorables. Y fue precisamente eso lo que abundaba en Back to black (2006), un disco que, situado en los días en que estaba de moda el revisionismo musical, supo encontrar identidad y no ser sólo una bien manufacturada réplica de época.

Habían corrido sólo tres años, pero esta era otra mujer. Y no sólo por el moño exagerado, el exceso de maquillaje y una delgadez que ya a esa altura resultaba inquietante: Amy Winehouse ya había entendido que el soul se canta, precisamente, con alma y que las cuitas personales deben ser parte del repertorio cuando lo que se busca es la posteridad. En Back to black apareció la Winehouse que será difícil de olvidar: una cantante más preocupada del fondo que de la forma (incluso, tomando en cuenta que este disco era una joya quirúrgica del sonido clásico del soul, gracias al productor Mark Ronson) y más interesada de las sutilezas que del género que la amparaba. En breve, más madura.

Rehab fue el primer sencillo y resumía la cruel ironía personal que terminaría quitándole la vida, pero allí también aparecían joyas como Love is a losing game y Tears dry on their own. Fue aquí que Winehouse entendió que la gracia no era cantar como vieja ni sonar como negra: sino más bien dejar la vida en cada canción. Un lema que ayer se escribió de manera literal.”

Exposiçao World Press Photo 2011

Hoje visitei a esposiçao World Press Photo 2011 em Santiago e posso dizer que “ganhei o dia”.

Bibi Aisha, 18 anos, teve as orelhas e o nariz cortados no Afeganistao. (Foto de Jodi Bieber)

A mais importante mostra de fotojornalismo, premia as melhores fotografias do ano em várias categorias, como guerras, esportes, cotidiano, natureza, entre outros e seus autores vêem seus cliques rodar o mundo em uma exposição itinerante, visitada por milhões de pessoas em mais de 40 países. As fotografias contempladas também sao reunidas em um livro anual, publicado em seis idiomas.

A organização independente e sem fins lucrativos, foi fundada em 1955 em Amsterdã – Holanda, e realiza atividades como programas educacionais – dando grande visibilidade à fotografia profissional de imprensa – seminários, oficinas e outros projetos de intercâmbio em todo o mundo.

Menina com o olhar absorto enquanto o terremoto do Haiti destrói o mercado municipal. (Foto de Iccardo Venturi)

 

Os cliques dos 55 fotógrafos de 23 países, que tiveram imagens publicadas no ano de 2010, conseguiram arrancar de mim diversos sentimentos de uma só vez: admiraçao, tristeza, alegria, reflexao, espanto, emoçao…

Hoje eu me dei conta do quanto as lentes de um fotógrafo contribuem com a história. De repente um fato é iluminado por um flash, ganha as capas dos principais meios de comunicaçao do mundo e o mundo ganha o seu direito de recordar, se eternizar.

Joséphine Nsimba Mpongo, 37, pratica o violoncelo no bairro Kimbanguiste de Kinshasa, República Democrática do Congo, onde vende ovos durante o dia e ensaia na orquestra a noite. (Foto de Andrew McConnell)

Confira as fotos que ganharam e quando a exposiçao estará em sua cidade.

 

O que realmente importa?

Quero tomar coca-cola quando a sede for de adrenalina e água sempre que meu corpo pedir.

Quero ler os livros mais interessantes e me divertir com aqueles que só eu gosto de ler.

Quero me apaixonar todos os dias e ser ridiculamente romântica.

Quero acordar mais cedo com frequência, mas não para cumprir compromissos diários, apenas para ver o sol nascer, passar mais tempo com Deus e comigo antes das atividades do dia me absorverem completamente.

Não quero mais passar 5 dias cumprindo uma agenda e esperar ansiosa pelo final de semana, onde finalmente, poderei relaxar e “viver”. Com certeza deve haver uma maneira de fazer o trabalho e a realização pessoal andarem juntas e eu vou perseguir isso até o fim.

Não quero esperar as férias para viajar. Há lugares maravilhosos nesse mundo, onde apenas um final de semana neles podem me revigorar por um ano.

Quero perseguir os meus sonhos e incentivar os sonhos daqueles que amo. O maior investimento que você pode fazer em alguém é dizer que acredita que ele conseguirá.

Eu vou passar mais tempo com a minha família. Perfeita ou cheia de defeitos, foi através dela que conheci a vida, essa que quero tanto valorizar.

Quero inspirar o amor nos outros, me abster de preconceitos, fazer diferença na vida de alguém. As pessoas veem a Deus através de mim e se para elas Deus não tem feito diferença, talvez eu tenha uma parcela de culpa: talvez eu seja o único “Deus” que elas conheçam.

Sonho com o dia em que o sorriso, as lembranças boas e a felicidade sejam  uma constante, onde a perda seja apenas algo num passado bem distante, sem a menor chance de se repetir.

“E lhes enxugará dos olhos toda a lágrima”.

(Refletindo no terremoto e tsunami que atingiu o Japão hoje).

Para quem ainda não escolheu um SENADOR

Será que você consegue escolher um candidato a senador só pelo currículo, sem olhar pesquisa eleitoral e a fama?

A seguir informações extraídas dos sites dos candidatos e complementadas por informações de conhecimento público.

Ao final, vocês têm o nome de todos eles.

Espero que isso ajude na sua escolha.

Candidato 1
O pai, fundou a escola de idiomas Yazigi e a Fundação SOS Mata Atlântica. A mãe, premiada pela UNESCO por seus programas para capacitação profissional.

Começou a trabalhar na empresa do pai aos 16 anos e levou-a ser um dos maiores cases de sucesso de franquias no mundo.

Fundou a Associação Brasileira de Franchising, e foi presidente da associação por 3 mandatos consecutivos.

Fez parte dos movimentos estudantis na época da ditadura militar brasileira.

Atuou na AP – Ação Popular, mas abandonou o movimento devido às sua crença na não-violência.

Pós-Graduado em filosofia pelo IBMEC.

Autor do programa de capacitação de professores no Institute for the Advancemente of Philosophy for Children, na Montclair State University.

Voluntário em capacitação de professores em escolas públicas, devido ao seu interesse de educação por qualidade.

Integrante do PNBE – Pensamento Nacional de Bases Empresariais onde implementou projetos de adoção de escolas públicas por parte de empresas.

Presidente do conselho deliberativo do instituto Ethos. Fundador do Uniethos – a sua divisão educacional. Projetou o instituto com suas participações em fóruns internacionais como o Pacto Global das Nações Unidas, o Global Report Iniciative , a 26000, o fórum Econômico Mundial. Iniciou a disseminação da responsabilidade social empresarial como uma nova dimensão nos negócios.

Convidado para participar do projeto Elias – do Massachussets Institute of Technology para incentivar a inovação de lideranças sistêmicas ligadas à sustentabilidade.

Seu lema de vida é: Paz, Alegria e Serenidade.

Filósofo, praticante de yoga e da filosofia de não violência de Ghandi, Músico e compositor de violão erudito.

Candidato 2
Casou-se aos 15 anos e aos 16, montou um grupo de pagode
Em 2001 abandonou o grupo em prol de sua carreira solo.

É pai de 7 filhos e praticante de violência doméstica contra sua esposa.

Apresentou o programa Show da Gente no SBT. Em 2008, aproveitou sua fama artística e foi o terceiro vereador mais votado na cidade de São Paulo; sendo o vereador que mais faltou as seções durante seu mandato.

Também por meio de eleição, foi presidente da Comissão Extraordinária de Defesa dos Direitos da Criança, do Adolescente e da Juventude da Câmara de São Paulo.

Foi também escolhido como relator da Frente Parlamentar em Defesa das Pessoas em Situação de Rua. Também é membro da Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa (CCJ).

Como integrante desses grupos, ganhou notoriedade ao agredir o repórter Vesgo em frente às câmeras.

Candidato 3
Formado em direito pela USP, onde também lecionou a matéria.

Por conta de ações contra a ditadura foi exilado na França, onde estudou Economia Política e foi professor de Português.

Foi diretor do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento em Paris.

Foi deputado Estadual duas vezes e líder do Governo Franco Montouro.

Foi Deputado Federal 3 vezes, ora pelo PMDB, ora pelo PSDB.

Foi vice-governador do Estado e Secretário Estadual de transportes.

Foi ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Ministro da Justiça e Secretário do Governo e Prefeitura de São Paulo.

Suas principais realizações foram:
– fim da taxa do lixo, criada por Marta Suplicy e isentou da taxa de iluminação pública os moradores de ruas não iluminadas.
– construção de 46 novas escolas, substituindo outras 44 em condições inadequadas, as chamadas escolas de lata, favorecendo cerca de 35 mil crianças que estudavam nas antigas escolas.
– grande incentivador da Virada Cultural.
– na saúde firmou novamente convênio com a FURP, retomando a fábrica de remédios do governo do estado de São Paulo, que passou novamente a fornecer remédios à prefeitura.
– integração do Bilhete Único ao Metrô.
– construção de 2 Hospitais (Hospital Cidade Tiradentes e o Hospital M’Boi Mirim).
– Construção de 11 Novas Unidades Básicas de Saúde
– Construção de 50 AMAs
– serviço de pronto atendimento em Unidades Básicas de Saúde (UBS) ou Pronto-Socorros, com capacidade de atendimento de até 300 pessoas/dia por unidade.
– Implantação do Programa Remédio em Casa
– entrega domiciliar de medicamentos a pacientes com doenças crônicas (diabetes e hipertensão).

Candidato 4:
Foi investigador, Delegado de Polícia.

É formado em Direito pela USP.

Foi diretor do DOPS (polícia da ditadura) de 1977 a 1982 quando tornou-se superintendente geral do DOPS paulista.

Capturou o mafioso italiano Tommazo Buscetta.

No governo Collor, foi Secretário da Receita Federal.

Foi presidente do Instituto Brasileiro de Assuntos Estratégicos.

Membro do Conselho de Ética Parlamentar.

Atualmente é senador e defende o filho sobre as acusações de envolvimento com a máfia chinesa, acusações essas surgidas após o filho assumir o Conselho Nacional de Combate à Pirataria e enriquecer 416% em menos de um ano.

Candidato 5:
Estudou em escolas francesas Des Oiseaux e Nossa Senhora de Sion.

Tem 3 filhos e 5 netos.

Psicóloga e Psicanalista, com mestrado em Psicologia Clínica pela Michigan State University, e pós graduada pela Standford University.

Ficou famosa pela atuação política do ex-marido, e adotou seu nome quando foi Apresentadora da TV Mulher nos anos 80.

Tem 9 livros editados.

Após o divórcio, continuou usando o nome do Marido.

Foi deputada federal entre 1995 e 1998. Nesse período apresentou dois projetos: A da parceria civil para pessoas do mesmo sexo (1996) e a política de cotas para mulheres na política.

Eleita Prefeita em São Paulo com 58% dos votos em disputa direta contra Maluf, criou a taxa do lixo, o bilhete único e os CEUS. Ganhou notoriedade ao inaugurar obras às vésperas da eleição, como o túnel na avenida Rebolças, que ficou inundado e teve que ser fechado para obras novamente 3 dias após sua inauguração. Obteve cerca de 32% dos votos na eleição seguinte.

Ministra do Turismo do Governo Lula, lançou o Viaja Mais Melhor Idade.

Candidato 6:
Músico, cantor e apresentador, tem o ensino fundamental incompleto.

Participou de “A praça da Alegria”, “Vende-se um véu de noiva”, “Ô coitado” e “A praça é nossa.”, Pequenos Brilhantes, A Mulher é um Show, Concurso de Paródias, “nome do candidato” Show e “nome do candidato” TV.

Desligou-se do SBT ao receber o convite para ser candidato. Atualmente vive uma rixa com os donos de seu partido, acusando-os de censura e de não conseguir passar sua mensagem.

Escolheu? Pode escolher 2 hein?! Agora saiba quem são:

Candidato 1: Ricardo Young, número 430.
Candidato 2: Netinho de Paula,número 131.
Candidato 3: Aloysio Nunes, número 451.
Candidato 4: Romeu Tuma, 141
Candidato 5: Marta Suplicy (Marta Smith de Vasconcelos): 133
Candidato 6: Moacir Franco, 177.

Não quero influenciar o voto de ninguém e nem fazer apologia a algum partido. Peço apenas que reflitam antes de votar.

Fernanda La Salye

Da Informação para a Experimentação

O mundo convergiu.

É possível assistir TV, ouvir rádio, ler o jornal, acessar emails, jogar em rede, comunicar-se com o mundo, abusar da praticidade, e tudo isso de um lugar só.

Mas será que essa avalanche de informações de fato nos orienta em tempo integral em nossas decisões?

E mais: será que em meio a tudo o que já vivenciamos, ainda pode vir algo que nos impressione?

A resposta é SIM!

O vídeo abaixo é uma prova de que “Minority Report” não é apenas uma excelente obra de ficção.

NÃO DEIXE DE VER: http://www.youtube.com/watch?v=blBohrmyo-I

Fernanda La Salye