Amnésia, Anestesia e Amor

“Deus não assiste, Ele sente.”
Quando li isso, fui tão fortemente impactada que tomei a liberdade de publicar o texto aqui também. Eu sou uma comunicadora e defendo muito a ideia de que informação de qualidade precisa ser disseminada. Foi o que fiz. “Sinta” cada linha!

Fonte: http://www.vineyardcafe.com.br/blog

Essa é a história de alguém que venceu montanhas e ultrapassou os maiores obstáculos que a natureza poderia colocar na frente de seus passos. A história de alguém que lutou e não teve medo, não teve azar, não teve fracassos, não teve erros.

No topo de tudo ele viu que tinha subido o bastante pra se sentir contente. No cume do monte ele se sentiu seguro o bastante pra poder descansar, mas não sei, depois que se sentiu maior do que os quilômetros e altitudes, depois de provar-se bom e ainda sentindo os músculos de seu corpo pedindo por um conforto pós-guerra , ele olhou pálido e não conseguiu chorar. Suspirou cansado mas não conseguiu expirar uma satisfação maior do que os pulmões.

Essa é a história de alguém que lutou por não se sabe o que. Alguém que tinha um grito de guerra mas não tinha um motivo, alguém que esticou os músculos e soltou seus gritos sem antes ter um nó na garganta. Gritou por gritar, não para desatar os nós. Lutou por lutar e não por ver nisso a questão que poderia mudar a sua vida.

Essa é a sua história?
Chorar por uma coisa mas no fundo saber que ela não mata a sua sede?
Brigar por uma coisa mas no fundo saber que ela não te fortalece?
Desejar muito uma coisa mas no fundo saber que ela não é assim tão necessária?
Falar muito de uma coisa mas no fundo saber que ela não prestaria muita atenção na sua voz?

Isso às vezes acontece. Nós até lutamos, mas falta motivo real. Nós choramos mas falta desabar e desabafar de vez. Nós sonhamos mas falta acordar e dar o primeiro passo. Nós amamos mas falta se entregar. Nós não temos medo da guerra, nós até sofremos algumas feridas, mas mesmo assim, no final, falta sangue.

É uma situação bem aflitiva viver nesse planeta cheio de coisas lindas e horríveis e ainda assim ter a sensação de não estar sentindo tudo, né? Afinal, você nasceu com os 5 sentidos, você ouve coisas, vê, toca, come, cheira, canta coisas bonitas que podem até deixar você arrepiado, emocionado, motivado, mas mesmo assim falta voz. Por que será que nunca é o bastante? Por que será que ficamos tão anestesiados de uns tempos para cá?

O dinheiro responderia à essa questão dizendo que agora você tem modos. Os seus amigos diriam à você que você está apenas passando por uma fase difícil. Os filmes alimentariam a sua insatisfação, os livros pareceriam longos demais para tentar te explicar. A religião deixaria isso tudo ainda mais complicado. A segunda-feira diria para você desistir. O seu amor diria que você anda estranho, você poderia pensar que é um tipo de solidão, e ao contrário do que todos pensam, eu acho que Deus diria apenas uma frase: “falta sangue”.

Eu sei porque ele diria isso.

Ele diria porque ele é exatamente o oposto do cara do primeiro parágrafo. Ele jamais subiria uma montanha por subir, ele jamais viveria por viver, ele jamais falaria para quebrar o silêncio, ele jamais gritaria se não houvesse um nó em sua garganta, ele jamais morreria sem um motivo. Vê, Deus soube aproveitar a vida melhor do que qualquer pessoa na face da terra. Mais do que os heróis, mais do que o grande vencedor do primeiro parágrafo.

Deus não assiste, Ele sente.

E é por isso que eu digo, que ele diria “falta sangue”. Porque foi justamente por isso que ele subiu montanhas, fez seu corpo se cansar. Foi por isso que ele desatou os nós na garganta e gritou quando teve vontade. Foi até o sangue, porque ele saberia que cedo ou tarde alguém teria o desejo de sentir-se vivo e não encontraria essa essência nas próprias veias.

Deus deu o sangue porque dar explicações cansa. Deus deu o sangue porque dar apenas emoções, frustra. Deus deu o sangue porque é no sangue que mora além da sensação, o sentimento. Deus deu o sangue porque sem ele o coração que você tem bombaria apenas ar, e as suas veias ficariam entupidas de vazio. Então você respiraria incertezas, falaria coisas vagas e viver seria uma desconfiança diária do que é real ou não. Deus deu o sangue porque as pessoas precisam sentir o que ele sente: a vida apesar de tudo. A realidade apesar da dúvida. O sentimento apesar das sujeiras. A presença apesar dos corações de pedra.

Que hoje você possa subir montanhas, e que amanhã você ainda sinta que as suas veias merecem muito mais do que o êxito. Que você sinta Deus e não se sinta Deus. Que você sinta o topo, mas que ainda seja capaz de desabar na dependência de quem um dia desabou de amores por você.

Anúncios

Um comentário sobre “Amnésia, Anestesia e Amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s